quinta-feira, 8 de Março de 2012

Superar a bancarrotocracia?

Octávio Teixeira resume bem a situação criada: “Para a banca tudo, para Estados e economia nada”. A bancarrotocracia tem tantas dimensões que a única dificuldade é saber por onde começar. Comecemos por Portugal. Rui Peres Jorge calcula, no Negócios de hoje, o montante que que Portugal pouparia se o financiamento da troika tivesse a mesma taxa de juro (1%) do recente financiamento de um bilião de euros do BCE aos bancos: dois mil milhões anuais, 14,6 mil milhões de euros nos 7,5 anos de maturidade média inicialmente prevista. A austeridade é uma escolha política evitável. Enfim, viajemos até à Grécia, o país que ilumina o nosso futuro, primeira vítima de uma reestruturação da dívida liderada pelos credores num euro que é sinónimo de austeridade sem fim. Tem a palavra Nouriel Roubini no Financial Times: “A realidade é que os credores privados conseguiram um acordo muito gentil, ao passo que as perdas actuais e futuras foram transferidas para os credores oficiais”. A mesma história de sempre: vale tudo para minorar as perdas do sector financeiro, mantendo a ficção perniciosa de que banca é privada. Quanto mais custos sociais terão os povos de suportar até que se conclua que a banca tem de ser efectivamente socializada, os seus accionistas penalizados e que o crédito tem de ser dirigido, esta palavra implica todo um programa reforma estrutural progressista, para a economia produtiva, a que cria emprego e valor, a que satisfaz necessidades?

3 comentários:

Anónimo disse...

Tanta economia, e os Ladrões de Bicicletas não percebem que há uma excelente razão para os Estados terem um rating natural mais baixo que os bancos: estes podem sempre falir, que alguém (o Estado) os vai a correr salvar, e por isso não apresentam grandes riscos. Ora, isso aumenta os riscos de incumprimento dos Estados, logo...

menvp disse...

É uma ideia aceite de forma generalizada: existem Ciclos Económicos!
Ora, é natural que qualquer pessoa questione:
1 - existindo Ciclos Económicos, será prudente uma economia endividar-se esperando um crescimento económico perpétuo?
2 - quais são as consequências - provocadas pela recessão - numa economia que se endividou esperando um crescimento económico perpétuo?

Muito muito pessoal ['Bilderbergos' e marionetas] que andou por aí a silenciar 'Medinas Carreiras' [leia-se, aconselhamento de que o endividamento deve ser muito muito prudente] anda agora por aí a argumentar que a recessão/crise - agravada pelas economias que se endividaram esperando um crescimento económico perpétuo - poderá provocar o colapso do sistema económico mundial!
Mais: indicam também que só a implosão das Soberanias (e das Identidades) é que impedirá que o mundo caia num CAOS.
E mais ainda: não faltará muito para que indiquem que - por forma a evitar que o mundo cais num CAOS - será necessário desenvolver todo o tipo de acções [...] contra os teimosos que não abdicam da sua Identidade!

O cidadão não pode ficar à mercê das mafiosices dos 'Bilderbergos' e marionetas!
Democracia verdadeira, já!
Leia-se: DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte):
- blog fim-da-cidadania-infantil.


ANEXO:
- Uma NAÇÃO é uma comunidade de indivíduos de uma mesma matriz racial que partilham laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
- Uma PÁTRIA é a realização e autodeterminação de uma Nação num determinado espaço.

João Carlos Graça disse...

O Roubini e o Octávio Teixeira têm toda a razão, claro.
Mas desta vez o óscar vai mesmo para a ironia "swiftiana" do Anónimo:
"há uma excelente razão para os Estados terem um rating natural mais baixo que os bancos: estes podem sempre falir, que alguém (o Estado) os vai a correr salvar, e por isso não apresentam grandes riscos. Ora, isso aumenta os riscos de incumprimento dos Estados, logo..."
Ohohoh... Obrigado. Já ganhei o dia.